Guia de vacinação da mulher  


 

Vacina tríplice viral (sarampo, caxumba, rubéola)

 

Mulheres nascidas antes de 1957 são consideradas imunes, mas a sorologia ou comprovação de vacinação deve ser solicitada para profissionais de saúde;

A mulher adulta deve receber pelo menos 2 doses durante a vida;

Testes sorológicos pré e pós-vacinação não são recomendados;

Dentro das 72 h pós-exposição ao sarampo, dê 1 dose como profilaxia aos adultos suscetíveis;

Evitar gravidez até 1 mês após a vacinação;

Contraindicação: Gestação e imunodeficiência;

Gratuita nos postos até 49 anos de idade.

 

Vacina hepatite B

 

Três doses (0, 1 e 6 meses);

Pacientes imunocomprometidas e renais crônicas devem receber dose dobrada e em 4 doses (0, 1, 2 e 6 meses). Estes grupos devem fazer sorologia anual e reforços podem ser necessários;

Testes sorológicos pós-vacinação são recomendados para profissionais de saúde, imunocomprometidos e renais crônicos 1 a 2 meses após a terceira dose. Gratuita nos postos até 49 anos de idade.

 

Vacina hepatite A

 

Duas doses (0 e 6 meses).

 

Vacina HPV 6, 11, 16 E 18

 

Três doses (0, 2 e 6 meses);

Liberada de 9 a 26 anos de idade para homens e mulheres. Contraindicada na gestação;

Gratuita nos postos: Em 2014 para meninas entre 11 e 13 anos; em 2015 para meninas entre 9 e 11 anos e a partir de 2016 para meninas de 9 anos de idade.

 

Vacina HPV 16 E 18

 

Três doses (0, 1 e 6 meses);

Liberada a partir de 9 anos para mulheres, sem limite superior de idade. Contraindicada na gestação.

 

Vacina varicela

 

Evitar gravidez até 1 mês após a vacinação;

Dentro das 72 h de exposição à varicela, dê 1 dose como profilaxia aos adultos suscetíveis;

Contraindicação: Gestação e imunodeficiência;

Precaução: Uso de antiviral 24 h antes da vacinação. Se possível, retarde o uso do antiviral por 14 dias após a vacinação.

 

Vacina influenza

 

Dose única anual;

Contraindicação: Reação anafilática prévia a proteína do ovo e derivados;

Anticorpos em níveis protetores após 14 dias da vacinação;

Gratuita nos postos para gestantes, puérperas até 45 dias, idosas > 60 anos, pacientes com doenças crônicas e imunocomprometidas.

 

Vacina tríplice bacteriana (dTpa) – Difteria, Tétano e Pertussis

 

Adultos que nunca receberam dTpa;

Profissionais saúde, adultos e adolescentes próximos a recém-nascido para evitar transmissão da bactéria Bordetella pertussis, responsável pelo pertussis (coqueluche);

Gestantes: a partir de 20 semanas, preferencialmente entre 27 a 36 semanas, independentemente de quando receberam alguma dose de dT ou dTpa. Deve ser feita em todas as gestações;

Para mulheres não vacinadas, completar a série com dT (0, 1-2, 6-12 meses), substituindo 1 dose pela dTpa (preferencialmente a primeira);

Reforço com dTpa a cada 10 anos. O uso de somente toxoide tetânico (TT) não é recomendado;

Para mulheres que vão viajar para áreas endêmicas de poliomielite, devemos considerar a vacina combinada com poliomielite (inativada) (dTpa-IPV);

Gratuita nos postos (dT) e dTpa para gestantes (previsão para 2014).

 

Vacina meningocócica

 

Dose única para o adulto;

Pode ser dada na gestação em situações de risco elevado, como em surtos;

Para viajantes, preferir a vacina meningocócica ACWY (conjugada).

 

Vacina pneumocócica 23-valente (polissacarídica)

 

Indicada de rotina ≥ 60 anos, em bula aprovada ≥ 50 anos;

A partir de 2 anos de idade e em < 50 anos, para indivíduos com fatores de risco para infecção pneumocócica*;

Gratuita nos CRIES para idosos institucionalizados e com doenças crônicas.

 

Vacina pneumocócica 13-valente (conjugada)

 

Indicada de rotina ≥ 60 anos, em bula aprovada ≥ 50 anos;

*Caso se opte por utilizar as duas vacinas pneumocócicas (13-valente e 23-valente), deve-se recomendar primeiro a 13-valente e após 2 meses a 23-valente. Caso se utilize a 23-valente, aguardar 1 ano para receber a 13-valente.

 

Vacina febre amarela (atenuada)

 

Contraindicação: imunodeficiência, gestação e lactação (se RN < 6 meses);

A vacinação é permitida durante a gestação se a mulher não vacinada residir em área endêmica ou vai viajar para zona de risco e não pode adiar a viagem. Gestante que vão para países que não apresentam risco, devem ser isentas da obrigatoriedade da vacinação;

Se necessário vacinar mulheres que estão amamentando, deve-se considerar adiamento da vacinação até a criança completar seis meses de idade ou a lactação deve ser suspensa por 15 dias após a vacinação;

Vacinar pelo menos antes de 10 dias da viagem.

 

Vacina herpes-zóster (atenuada)

 

Indicada em bula ≥ 50 anos. Vacinar mesmo se a paciente tiver história de diagnóstico prévio de herpes-zóster, nesses casos aguardar 1 ano. Não é necessário pedir sorologia;

Contraindicação: gestação, imunodeficiência e uso de drogas imunossupressoras;

Precaução: O uso de antiviral deve ser descontinuado 24 horas antes e por pelo menos 14 dias após a vacinação.

Fonte : FEBRASGO > http://www.febrasgo.org.br/site/wp-content/uploads/2014/09/GuiaVacinacaoMulher_Febrasgo_210x297mm.pdf